Anatomia da Coluna e do Sistema Nervoso Periférico

A medula espinhal é uma extensão do sistema nervoso

central (SNC), que está constituído pelo cérebro e a medula

espinhal. Começa na parte inferior do tronco cerebral (na área

chamada bulbo raquidiano), e termina na parte inferior das

costas se afunilando para formar um cone chamado cone

medular.

Anatomicamente, a medula espinhal corre desde o topo do

osso mais alto do pescoço (vértebra C1) até aproximadamente

o nível da vértebra L1, que é o osso mais alto da região lombar

encontrado justo abaixo da caixa torácica. A medula espinhal

tem um comprimento aproximado de 45 centímetros e tem um

formato relativamente cilíndrico. Os segmentos cervicais (pescoço)

e lombar (região inferior das costas) abrigam as duas áreas de

alargamento da medula espinhal. A banda fibrosa chamada

filamento terminal se extende desde a ponta do cone medular

até a pélvis.

Na parte inferior da medula espinhal (cone medular)

encontra-se

a cauda equina, um conjunto de nervos que derivam seu

nome da tradução latina de “rabo de cavalo”. (Os primeiros anatomistas acharam que o conjunto de nervos se assemelhavam à cauda de um cavalo).

O Líquido Cefalorraquidiano (LCR) circunda a medula espinhal, a qual está também protegida por três membranas protetoras chamadas meninges (dura-mater, aracnoide e pia-mater).

A medula espinhal se situa dentro da coluna vertebral, que está composta por 33 ossos chamados vértebras. Cinco vertebras estão soldadas para formar o sacro (parte da pélvis), e quatro vértebras pequenas estão soldadas para formar o cóccix.

A coluna é dividida em quatro seções, sem incluir o cóccix:

  • Vértebras cervicais (de um a sete, localizadas no pescoço);

  • Vértebras torácicas (de um a 12, localizadas na região superior das costas e unidas à caixa torácica);

  • Vértebras lombares (de um a cinco, localizadas na regão inferior das costas);

  • Vértebras sacrais (de um a cinco, localizadas na pélvis).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entre os corpos vertebrais (com exeção de C1 e C2) há discos que servem como estrutura de suporte para a coluna. Estes discos com formato oval tem uma membrana exterior resistente (anel fibroso) que circunda um material mais macio chamado núcleo pulposo. Estes discos funcionam como amortecedores para os ossos da coluna vertebral. Os ligamentos fixados às vertebras também servem como estruturas de apoio.

Existem 31 pares de nervos e raízes espinhais. Oito pares de nervos cervicais (chamados C1-C8) saem da medula cervical em cada nível vertebral. Um membro do par sai pelo lado direito, e o outro sai pelo esquerdo. A primeira raíz cervical sai acima da vértebra C1. A segunda raíz cervical sai no segmento C1-C2, e as raízes restantes saem justo abaixo da vértebra correspondente. A raíz nervosa C8 sai entre as vértebras C7 e T1.

Existem 12 pares de nervos torácicos (T1-T12). A raíz nervosa T1 sai entre as vértebras T1 e T2. Há cinco pares de nervos lumbares (L1-L5). A raíz nervosa L1 sai entre as vértebras L1 e L2. Há cinco pares de nervos sacrais (S1-S5). A raíz nervosa S1 sai entre as vértebras S1 e S2. Um par de nervos coccígeos (Co1) se localiza na área do cóccix.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por meio do sistema nervoso periférico (SNP), os impulsos nervosos viajam para e desde o cérebro através da medula espinhal para algum local específico do corpo. O SNP é um sistema complexo de nervos que se ramificam das raízes nervosas espinhais. Estes nervos viajam fora do canal espinhal para as extremidades superiores (braços, mãos e dedos), para os músculos do torso, para as extremidades inferiores (pernas, pés e dedos dos pés), e para os órgãos do corpo.

Qualquer interrupção da função da medula espinhal por doença ou lesão em um nível particular pode resultar na perda da sensação e da função motora abaixo desse nível. Dependendo da serveridade da doença ou da lesão, a perda da função pode ser permanente.

 

Glosário de Termos


Anel Fibroso – A porção externa, fibrosa, com formato de anel, de um disco intervertebral.

Anterior – Refere-se à parte frontal do corpo.

Anterolateral – Localizado ou ocorrendo na parte frontal e lateral do corpo.

Aracnoidite – Inflamação da membrana aracnoide (membrana intermediária das três camadas protetoras chamadas meninges), mais comumente visto em torno da medula espinhal e da cauda equina.

Arco neural – Arco ósseo da parte traseira de uma vértebra que rodea a medula espinhal; também conhecido como arco vertebral.

Articulação – A união de dois ou mais ossos que permite diferentes graus de movimento entre os ossos.

Artrite – Inflamação de uma articulação, normalmente acompanhada de inchaço, dor e restrição de movimento.

Cauda Equina – Conjunto de nervos no final da medula espinhal que se assemelha ao rabo de um cavalo.

Cóccix – Estrutura óssea na região da coluna abaixo do sacro.

Coluna cervical – Região do pescoço da coluna composta pelas primeiras sete vértebras.

Coluna lombar – Região inferior da coluna; composta por cinco vértebras entre as costelas e a pélvis.

Cone medular – A parte inferior da medula espinhal com formato de cone.

Corpo vertebral – Parte óssea central de uma vértebra.

Disco (Intervertebral) – Almofada resistente e elástica localizada entre as vértebras na coluna; age como amortecedor para as vértebras.

Degeneração de disco – Deterioração de um disco. Um disco na coluna pode se desgastar com o tempo. Um disco deteriorado pode ou não causar dor.

Distal – Localizado afastado da região central.

Esporão ósseo – Crescimento ósseo ou borda áspera do osso.

Forame – Abertura nas vértebras através da qual atravessam as raízes nervosas espinhais.

Hérnia de disco – Condição na qual o material de núcleo gelatinoso de um disco apresenta uma protuberância ou se rompe fora de sua posição normal; uma hérnia de disco pode exercer pressão nas raízes nervosas circundantes e/ou na medula espinhal.

Ligamento interespinhoso – Articulação formada quando a estrutura posterior de uma vértebra se une à faceta articular superior de uma vértebra adjacente; essa articulação permite o movimento da coluna vertebral. Cada vértebra tem uma faceta superior direita e esquerda e uma faceta inferior direita e esquerda.

Lâmina – Parte achatada ou arqueada do arco vertebral que forma o teto ou parte traseira do canal espinhal.

Lateral – Localizado nos lados ou fora da linha média do corpo.

Ligamento – Tecido conectivo fibroso que une ossos nas articulações ou que passa entre os ossos da coluna.

Nervos – Tecido neural que conduze impulsos elétricos (mensagens) do cérebro e medula espinhal para todas as outras partes do corpo; também transmite informação sensorial do corpo para o sistema nervoso central.

Pedículo – Parte óssea de cada lado do arco neural de uma vértebra que conecta a lâmina (parte traseira) com o corpo vertebral (parte frontal).

Posterior – Parte de trás ou lado traseiro de corpo.

Proximal – Localizado próximo da parte central do corpo.

Raíz nervosa – Porção inicial de um nervo espinhal, que se origina na medula espinhal.

Rotação – Movimento de torção da uma vértebra sobre outra quando um paciente se vira de um lado para outro.

Sacro – Parte da pélvis, justo acima do cóccix e abaixo da coluna lombar (região inferior das costas).

Ciática – Termo leigo que indica dor ao longo do percorrido do nervo ciático; tipicamente notado nas costas, nas nádegas e descendo pela parte traseira da perna e coxa até abaixo do joelho.

Escoliose – Curvatura anormal da coluna para as laterais.

Canal espinhal – Canal ósseo localizado na coluna vertebral que protege a medula espinhal e as raízes nervosas.

Medula espinhal – Cordão longitudinal de tecido nervoso que passa pelo canal espinhal. Serve não apenas como o caminho dos impulsos nervosos para/e do cérebro, más também como o centro de operação e coordenação de ações reflexas independentes do cérebro.

Estenose espinhal – Estreitamento anormal da coluna vertebral que pode resultar em pressão na medula espinhal, no saco dural espinal ou raízes nervosas decorrentes da medula espinhal.

Coluna Vertebral – Coluna óssea flexível que se extende desde a base do cráneo até o cóccix. É composta por 33 ossos conhecidos como vértebras.

Espondilite – Inflamação das vértebras.

Espondilolistese – O deslocamento para frente ou derrapagem de uma vértebra sobre outra.

Espondilose – Mudanças ósseas degenerativas na coluna, usualmente mais marcado nas articulações vertebrais.

Superior – Localizado acima ou em direção da cabeça de um indivíduo.

Coluna Torácica – Região da coluna unida à caixa torácica; localizada entre as áreas cervical e lombar, composta por 12 vértebras.

Vértebras – Os 33 ossos que conformam a coluna. Estão divididas segundo sua localização: coluna cervical (pescoço), coluna torácica (parte superior das costas ou caixa torácica), coluna lombar (parte inferior das costas) e coluna sacra (pélvis ou base da coluna).

Fonte: American Association Neurological Surgeons - www.aans.org

Porto Velho: Rua Rafael Vaz e Silva, 1663, N. Senhora das Graças, Porto Velho - RO, CEP: 76804-140

Rio Branco: Rua Hugo Carneiro, 725 - 1ª sala 678, Bairro Bosque, CEP: 69.900-550. Fones: (68) 3222-7900 / 99917-8852