Hérnia de disco

Os ossos (vértebras) que formam a coluna nas suas costas estão amortecidos por pequenos discos. Esses discos são redondos e achatados, com uma camada exterior resistente (ânulo fibroso) que circunda um material gelatinoso chamado núcleo. Localizados entre cada uma das suas vértebras na coluna, os discos agem como amortecedores para os ossos da coluna.

Uma hérnia de disco é um fragmento do núcleo do disco que é empurrado para fora do ânulo, no canal espinhal através de uma ruptura no ânulo. Os discos que apresentam hérnias usualmente encontram-se em uma fase inicial de degeneração. O canal espinhal tem espaço limitado, que é inadequado para o nervo espinhal e o fragmento de disco deslocado. Devido ao deslocamento, o disco pressiona nervos espinhais, comumente provocando dor, que pode ser severa.

Hérnias de disco podem ocorrer em qualquer nível da coluna. As hérnias de discos são mais comuns na parte inferior da coluna (coluna lombar), mas também podem ocorrer no pescoço (coluna cervical). A área na qual você sofre de dor depende da parte da coluna que está afetada.

Causas

Uma distensão simples ou lesão pode causar uma hérnia de disco. Contudo, o material de disco se degenera naturalmente com o envelhecimento, e os ligamentos que mantêm os discos no lugar começam a enfraquecer. Enquanto a degeneração progride, uma distensão menor ou um movimento de torção pode romper o disco.

Algumas pessoas podem ser mais vulneráveis a problemas de disco e, como resultado, podem sofrer de hérnias de disco em vários lugares ao longo da coluna. Pesquisas têm mostrado que uma predisposição a hérnias de disco pode existir em famílias, com vários membros afetados.

 

Sintomas de Hérnia de Disco

Os sintomas variam muito dependendo da posição e do tamanho da hérnia. Se a hérnia não estiver pressionando nenhum nervo, você pode sofrer uma dor leve nas costas ou nem sentir dor. Se estiver pressionando um nervo, pode haver dor, dormência ou enfraquecimento na área do corpo para onde os nervos viajam. Tipicamente, uma hérnia de disco é precedida por um episódio de dor nas costas ou um longo histórico de episódios intermitentes de dor nas costas.

 

1. Coluna lombar (parte inferior das costas): A ciática frequentemente resulta de uma hérnia de disco na coluna lombar. A pressão em um ou vários nervos que contribuem com o nervo ciático podem causar dor, ardência, formigamento e entorpecimento que irradia das nádegas para as pernas e por vezes para o pé. Usualmente um lado (direito ou esquerdo) é afetado. Essa dor comumente é descrita como aguda e parecida com um choque elétrico. Pode ser mais severa quando se está em pé, caminhando ou sentado. Junto com a dor na perna, você pode sofrer de dor na parte inferior das costas. É recomendado usar o termo radiculopatia no lugar de ciática, pois nem toda dor na perna é “ciática”.

 

2. Coluna Cervical (Pescoço): Os sintomas podem incluir dor tediosa e aguda no pescoço ou entre as omoplatas, dor que irradia para o braço, mão ou dedos, ou entorpecimento ou formigamento no ombro ou braço. A dor pode aumentar com algumas posições ou movimentos do pescoço.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por um neurocirurgião baseado no seu histórico, sintomas, um exame físico e resultados de exames, incluindo:

  • Raio-X: Aplicação de radiação para produzir um filme ou imagem de uma parte do corpo; pode mostrar a estrutura das vértebras e o contorno das juntas. Os raios-x da coluna são feitos para procurar por outras causas potenciais de dor, tais como tumores, infecções, fraturas, etc.

  • Tomografia computadorizada (CT): Imagem de diagnóstico criada após a leitura por computador de raios-X; pode mostrar o formato e o tamanho do canal espinhal, seu conteúdo e as estruturas circundantes.

  • Imagem por Ressonância Magnética: Exame diagnóstico que produz imagens 3-D das estruturas corporais utilizando ímãs potentes e tecnologia computadorizada; pode mostrar a medula espinhal, raízes nervosas e áreas circundantes, assim como o alargamento, degeneração e tumores.

  • Mielograma: Raio-X do canal espinhal seguido da injeção de um material contrastante nos espaços do líquido cefalorraquidiano circundantes; pode mostrar pressões na medula espinhal ou nervos devido a hérnias de discos, esporões ósseos ou tumores.

  • Eletromiograma e Estudos de Condução Nervosa (EMG/ECN): Esses exames medem o impulso elétrico ao longo das raízes nervosas, nervos periféricos e tecido muscular. O exame indicará se há dano nos nervos, se os nervos estão em um estado de cicatrização de uma lesão passada ou se há algum outro lugar com compressão nos nervos.

 

Tratamento

Por sorte, a maioria das hérnias

de disco não precisam de cirurgia.

Contudo, uma pequena

percentagem de pessoas com

hérnias de disco, ou discos

degenerados podem sofrer dor

nas costas sintomáticas ou

severas até incapacitantes, que

afeta significativamente o dia a

dia.

O tratamento inicial para uma

hérnia de disco usualmente é

conservativo e não-cirúrgico.

(Seu médico pode prescrever

repouso ou aconselhar a manter

atividades de baixo nível físico

que não produza dor por alguns

dias ou até semanas. Isto pode

ajudar a diminuir a inflamação

do nervo espinhal. –repouso não

é recomendado).

Uma hérnia de disco

frequentemente é tratada com

medicação não esteroide e

anti-inflamatória, se a dor for somente suave a moderada. Uma injeção de esteroide epidural pode ser realizada usando uma agulha raquidiana espinhal com ajuda de raios-X para direcionar a medicação ao nível exato da hérnia de disco.

Seu médico pode recomendar fisioterapia. O fisioterapeuta realizará uma avaliação mais exaustiva, que, combinada com o diagnóstico do médico, determinará o tratamento adequado para pacientes com hérnias de disco. A terapia pode incluir tração pélvica, massagem delicada, terapia de gelo e calor, ultrassom, estimulação elétrica dos músculos e exercícios de alongamento. A medicação para a dor e relaxantes musculares também podem ser benéficos em conjunto com a fisioterapia.

 

Cirurgia

Seu médico pode recomendar cirurgia se a opção de tratamento conservativo, como fisioterapia e medicação, não reduz nem acaba com a dor. Ele falará com você sobre os tipos de cirurgia da coluna disponíveis e, dependendo do seu caso, ajudará a determinar qual procedimento pode ser um tratamento apropriado para você. Assim como em qualquer cirurgia, a idade do paciente, o estado de saúde geral e outros aspectos são analisados no momento em que a cirurgia é considerada.

Os benefícios da cirurgia sempre devem ser ponderados cuidadosamente com seus riscos. Embora uma grande percentagem de pacientes com hérnia de disco relate alívio significativo da dor, não há garantia de que a cirurgia ajudará todos os pacientes.

Você pode ser considerado um candidato para uma cirurgia da coluna se:

  • A dor nas costas e nas pernas limita a atividade normal ou prejudica sua qualidade de vida;

  • Você desenvolve deficiências neurológicas progressivas, tais como enfraquecimento e/ou entorpecimento das pernas;

  • Você sofre perda das funções normais da bexiga e intestino;

  • Você tem dificuldade para ficar em pé ou para andar;

  • A medicação e a fisioterapia não são mais efetivas; e

  • Você tem um estado de saúde razoavelmente bom.

 

Termos cirúrgicos

  • Cirurgia de Prótese de disco – Substituição cirúrgica de um disco lombar doente ou com hérnia por um disco artificial. A prótese CHARITÉ é composto por um núcleo plástico entre duas placas de cromo que encaixa na coluna. O PRODISC-L é um disco intervertebral artificial feito de metal e plástico usado para tratar a dor associada a doenças degenerativas de disco (DDD).

  • Discectomia – Remoção cirúrgica total ou parcial de um disco intervertebral.

  • Laminectomia – Remoção cirúrgica da maior parte do arco ósseo, ou lâmina de uma vértebra.

  • Laminotomia – Abertura feita na lâmina, para aliviar a pressão nas raízes nervosas.

  • Fusão espinhal – Procedimento no qual o osso é enxertado na coluna, criando uma união sólida entre duas ou mais vértebras; e na qual instrumentos como parafusos e hastes podem ser usados para fornecer suporte adicional.

 

Cirurgia de Coluna Lombar

A laminotomia lombar é um procedimento comumente utilizado para aliviar dor na perna e ciática causada por uma hérnia de disco. É realizada através de uma incisão na parte inferior das costas sobre a área da hérnia de disco. Durante esse procedimento, uma porção da lâmina pode ser removida. Uma vez feita a incisão na pele, os músculos são afastados para que o cirurgião possa ver a parte traseira das vértebras. Uma pequena abertura é feita entre as duas vértebras para ter acesso à hérnia de disco. Após a remoção do disco com uma discetomia, a coluna (deve//pode precisar) ser estabilizada. A fusão espinhal comumente é realizada em conjunto com uma laminotomia. Em casos mais avançados, uma laminectomia pode ser realizada.

Na cirurgia de prótese de disco, uma incisão é feita através do abdômen, e o disco afetado é removido e substituído. Somente uma pequena percentagem de pacientes são candidatos para uma cirurgia de prótese de disco. Você deve ter degeneração em apenas um disco, entre as L4 e L5, ou entre L5 e S1 (a primeira vértebra sacral). Você deve ter passado pelos menos 6 meses de tratamento, tais como fisioterapia, medicação ou uso de cinta de apoio lombar, sem sinais de melhora. Você deve ter um bom estado de saúde geral, sem sinais de infecção, osteoporose ou artrite. Se você tem degeneração afetando mais de um disco, ou dor significativa na perna, você não pode ser candidato para esta cirurgia.

 

Cirurgia de Coluna Cervical

A decisão medica de realizar uma operação da parte frontal do pescoço (anterior) ou da parte traseira do pescoço (posterior) é determinada pela localização exata da hérnia de disco, assim como a experiência e preferência do cirurgião. A porção da lâmina pode ser removida através de uma laminotomia, seguida de uma discectomia. Após a remoção do disco, frequentemente a coluna precisa ser estabilizada. Isto é feito usando uma placa cervical e parafusos (instrumentos), e comumente, com uma fusão espinhal.

 

Pós-cirurgia

Seu médico dará instruções específicas após a cirurgia e usualmente prescreve medicação para a dor. Ele ajudará a determinar quando você pode voltar às atividades normais, assim como voltar ao trabalho, dirigir e se exercitar. Alguns pacientes podem se beneficiar da reabilitação supervisionada ou fisioterapia após a cirurgia. Algum desconforto é esperado enquanto volta gradualmente às atividades normais, mas a dor pode ser um sinal de alerta de que você precisa ir mais devagar.

 

Dicas de prevenção

Uma vez recuperado da cirurgia e verificado pelo seu médico, você pode voltar a se exercitar de forma moderada. As seguintes dicas podem ser úteis na prevenção de dor na região inferior das costas e hérnias de disco:

  • Fazer exercícios de musculação abdominal ou de fortalecimento para fornecer maior estabilidade à coluna. Nadar, bicicleta estática e caminhada são bons exercícios aeróbicos que geralmente não colocam peso extra nas suas costas.

  • Use técnicas corretas de levantamento e movimentação de objetos pesados (agachamento). Não se curvar para levantar. Procure ajuda se um objeto for muito pesado ou de formato estranho.

  • Mantenha postura correta ao sentar ou andar.

  • Se você fuma, pare. Dentre outros fatores, fumar é de alto risco para arteriosclerose (endurecimento das artérias), o que pode causar dor nas costas e doenças de degeneração de disco.

  • Evite situações estressantes, se possível, pois pode causar tensão muscular.

  • Mantenha um peso saudável. Sobrepeso, especialmente na região do abdômen, pode criar tensão na região inferior das costas.

Fonte: American Association Neurological Surgeons - www.aans.org

Porto Velho: Rua Rafael Vaz e Silva, 1663, N. Senhora das Graças, Porto Velho - RO, CEP: 76804-140

Rio Branco: Rua Hugo Carneiro, 725 - 1ª sala 678, Bairro Bosque, CEP: 69.900-550. Fones: (68) 3222-7900 / 99917-8852